morte-de-um-miliciano“Se tua foto não está boa é porque você não está perto o suficiente” (Robert Capa)

Robert Capa é um dos fotógrafos de maior importância da história. Nascido em Budapeste em 1913, consolidou sua carreira como célebre fotojornalista de conflitos armados na primeira metade do século XX.

Endre Friedmann, seu nome de batismo, se transformou em Robert Capa após se mudar de Budapeste para Paris e passar por dificuldades financeiras. Decidiu então que um nome norte-americano o ajudaria a conseguir melhores pagamentos para suas fotografias.

Capa foi o responsável pela criação do imaginário visual da guerra na sociedade e tornou-se a personificação do fotojornalismo, com imagens que misturam a crueldade dos conflitos com o fascínio de poder contemplá-las. Conhecido principalmente por colocar sua própria vida em risco para estar o mais próximo possível dos acontecimentos, Capa cobriu, entre tantas, a Segunda Guerra Mundial e suas imagens, feitas na batalha da praia de Ohama, serviram de base para a reconstrução do filme O resgate do soldado Ryan.

Mas, entre tantas coberturas de guerra importantes, a foto mais conhecida de Capa é a intitulada Morte de um miliciano, feita durante a Guerra Civil espanhola e publicada em 1936 na revista francesa Vu, sendo republicada no ano seguinte na Life, ganhando repercussão internacional. A imagem mostra o momento exato que um combatente é alvejado em conflito.

Esta fotografia até hoje é considerada uma das mais famosas imagens de guerra de todos os tempos. No entanto, é também uma das mais controvérsias, com longa lista de especialistas que afirmam ser uma montagem.

Há várias versões contra e a favor da imagem. A primeira dúvida sobre sua autenticidade foi levantada nos anos 70, por Philip Knightley, no livro The First Casualty, porém, quando a aparente identificação do homem alvejado aconteceu, quase 20 anos depois, as dúvidas pareciam ter desaparecido.

Todavia, o próprio Capa contribuía para as controvérsias, contando diferentes versões sobre a imagem. Certa vez, em entrevista para a WNBC, afirmou: “A foto rara nasce da imaginação dos editores e do público que vê”.

Fato é que o fotojornalista testemunhou os horrores de cinco guerras e marcou seu nome na história da fotografia. Capa morreu em maio de 1954, quando cobria a Guerra da Indochina e pisou em uma mina terrestre. Conta-se que seu corpo foi encontrado com as pernas dilaceradas, mas a câmera permanecia em suas mãos.

Comentários estão fechados.